Publicado em: sex, 6 - abr - 2018

Professores aceitam proposta do Governo e anunciam fim da greve após 45 dias de paralisação em RO

Professores definiram fim da greve em reunião realizada em frente o prédio do Legislativo estadual, em Porto Velho (Foto: Toni Francis/G1)Professores tiveram garantido o piso nacional da categoria. Salário-base dos técnicos educacionais deve passar de R$ 800 para R$ 1 mil.

 

Os profissionais da educação estadual aceitaram a proposta apresentada pelo Governo do Estado nesta quinta-feira (5), após 45 dias de greve, e encerraram a paralisação em todo o estado. Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero), Lionilda Simão, as aulas devem ser normalizadas gradativamente a partir da segunda-feira (9).

Segundo Lionilda, nos demais municípios as aulas serão normalizadas com o passar dos dias, uma vez que muitos profissionais do interior estão na capital para deliberar sobre como as aulas serão repostas. “Segunda-feira vamos deliberar sobre o assunto”, disse a sindicalistas, acrescentando que, nesta sexta-feira (6) ainda não haverá aula.

Após a reunião realizada na manhã desta quinta (5), ficou definido que a paralisação seria encerrada, mas o fim da greve só foi declarado oficialmente pelo sindicato por volta das 17h, quando a proposta do Governo foi levada para votação na Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE-RO).

 

Mobilizados sob duas tendas, em frente o prédio do Legislativo estadual, delegações de todas as regionais debateram a questão e aprovaram a proposta do Governo que, entre outros itens, inclui a implantação do piso nacional do magistério (R$ 2.455,35) no vencimento dos professores e aumento, de R$ 800 para R$ 1 mil do salário dos técnicos educacionais, também no vencimento, a partir de junho.

Segundo a assessoria do Sintero, diferente de gratificação, a proposta aprovada beneficia não só os trabalhadores em educação que estão na ativa, mas também os aposentados, os que estão afastados por laudo médico e os professores readaptados.

A elaboração da proposta teve a intermediação da Assembleia Legislativa, que se comprometeu em dispor de R$ 20 milhões do orçamento do Legislativo para complementar o impacto na folha de pagamento da educação.

Ainda segundo o Sintero, tanto a proposta aprovada quanto as discussões ocorridas nesta quinta-feira (5) em Porto Velho serão detalhadas a partir da sexta-feira (6) em assembleias que serão convocadas em todas as regionais.

Em nota, o Sintero ainda explica que com a aprovação da proposta, os professores em início de carreira vão ter reposição de 6,81% no vencimento, com reflexo em todas as gratificações e nas progressões, que aumentam o salário em 2% a cada dois anos trabalhados.

Para os técnicos educacionais, a proposta prevê uma reposição de aproximadamente 16%, também com reflexo em todas as gratificações, beneficiando os aposentados e os readaptados.

A iniciativa de colocar a proposta em votação ainda nesta quinta-feira (5) se deve ao fim do prazo legal para que a Assembleia Legislativa pudesse aprovar e publicar uma lei transferindo recursos para a folha da educação, e também porque a partir de sábado (7) a Lei Eleitoral só permite a revisão anual de salários para recompor as perdas inflacionárias do ano das eleições (Lei 9.504 Art. 73), segundo a assessoria do Sintero.

Fonte/Autor: G1

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Comente no FaceBook

sex Newspapertimes Theme