Publicado em: ter, 29 - maio - 2018

Polícia Federal cumpre 10 mandados de prisão contra servidores da prefeitura de Porto Velho e empresários

Operação Ciranda investiga organização criminosa que fraudou licitações no transporte escolar fluvial para atender alunos da rede municipal. (Foto: Polícia Federal/ Divulgação )Empresas participantes do esquema receberam mais de R$ 100 milhões em contratos com a Prefeitura de Porto Velho. Prejuízos aos cofres públicos são superiores a R$ 20 milhões.

ma operação da Polícia Federal (PF) foi deflagrada na manhã desta terça-feira (29) com o objetivo de desarticular uma organização criminosa, composta por servidores da prefeitura de Porto Velho e empresários, que fraudaram licitações da Secretaria Municipal de Educação de Porto Velho (Semed) no que corresponde ao transporte escolar fluvial, e desviou recursos do Programa Nacional de Transporte Escolar (Pnate).

Na Operação Ciranda serão cumpridos 55 mandados judiciais, 10 mandados de prisão temporária, 29 de busca e apreensão e 16 de sequestro e indisponibilidade de bens. Os prejuízos dessa organização criminosa aos cofres públicos são superiores a R$ 20 milhões.

Segundo a Polícia Federal, a investigação começou a partir de informações fornecidas pela Controladoria Geral da União (CGU-RO), onde foram apuradas fraudes, no caráter competitivo, irregularidades na execução dos contratos e superfaturamento dos preços do contrato, referentes a licitação nº 09.00010/2013, que corresponde ao serviço de transporte escolar fluvial para atender alunos da rede municipal.

Ainda de acordo com informações da Polícia Federal essa licitação foi assinada em 2014 e periodicamente renovada até fevereiro de 2018. Durante esse período estima-se que o prejuízo aos cofres públicos são superiores R$ 20 milhões. Também foi apurado que desde 2010 as empresas participantes do esquema ilícito receberam mais de R$ 100 milhões em contratos com a Prefeitura de Porto Velho.

Após serem ouvidos na Superintendência da Polícia Federal em Rondônia, os suspeitos serão encaminhados para presídios estaduais e responderão, perante a Justiça Federal, pelos crimes de organização criminosa, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

As medidas judiciais estão sendo cumpridas na Semed, nas empresas envolvidas e nas residências dos investigados. Também são cumpridos mandados em Rio Branco (AC), Manacapuru (AM) e Recife (PE).

G1 entrou em contato com a assessoria da Prefeitura de Porto Velho, mas a pasta ainda não possui um posicionamento sobre o caso. A previsão, de acordo com a assessoria, é que o prefeito Hildon Chaves (PSDB) se pronuncie sobre a Operação Ciranda ainda hoje.

Fonte/Autor: G1

 
Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Comente no FaceBook