Publicado em: seg, 16 - abr - 2018

MP e MPF exigem tombamento de todo o acervo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré

MP e MPF exigem tombamento de todo o acervo da Estrada de Ferro Madeira-MamoréO Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual (MP-RO) ajuizaram uma ação contra a União, o Estado de Rondônia e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por se eximirem das responsabilidades acerca do tombamento integral do patrimônio histórico da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM).

Na ação, os órgãos exigem que o Iphan adote medidas, em caráter emergencial, para a proteção e preservação de todo o percurso da EFMM, desde o trecho do KM 8, em Porto Velho, até o KM 366, em Guajará-Mirim no prazo de um ano – incluindo as estações, as pontes Jacy-Paraná e Mutum-Paraná, o prédio do relógio (parte integrante do acervo), locomotivas e peças que não estão inseridas no tombamento parcial já existente.

Os MPs constataram avançados estados de deterioração de boa parte do patrimônio da EFMM. Dessa forma, pediram também à Justiça que determine ao Iphan a guarda e conservação dos bens mais afetados por meio de vistorias e apresentação de um plano de ação, nos prazos de 60 e 10 dias, respectivamente.

Ao Estado de Rondônia e à União, a Justiça pode determinar a obrigação de prestar apoio financeiro ao Iphan na adoção das medidas quanto à proteção e preservação da EFMM – dando suporte à segurança, à reparação, à conservação e à restauração dos locais e bens.

Em visitas feitas aos locais, há pouco mais de três anos, os órgãos certificaram-se, diante das análises realizadas, que as pontes da EFMM “pareceriam fantasmas” ao lado da rodovia federal BR–364, sem qualquer identificação acerca de sua importância histórica para o desenvolvimento do Estado, e muito menos sinais de preservação, estando sua estrutura beirando a ruína.

O MPs apontam, ainda, que os réus têm demonstrado falta de interesse em relação a todo acervo histórico. Por diversas vezes, o MPF questionou o não tombamento integral da EFMM por parte do Iphan. Foi constatada demora injustificada na abertura do procedimento de complementação do tombamento do restante do acervo e lentidão no trâmite administrativo.

A procuradora da República Gisele Bleggi e a promotora de Justiça Flávia Mazzini disseram na ação que “chega a ser constrangedor imaginar que, se não fosse a iniciativa da concessionária Usina Hidrelétrica de Jirau, em altear as pontes de Mutum-Paraná e Jacy-Paraná, as mesmas poderiam ter submergido pelas cheias dos rios daquela região, e com isso, muito provavelmente desabariam, levando consigo um valor histórico centenário e insubstituível”.

A ação civil pública pode ser consultada no site da Justiça Federal pelo número 1000998-72.2018.4.01.4100.

 

Fonte/Autor: Rondoniagora

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Comente no FaceBook

  Últimas Notícias

Fisk Expansao Sol e Piscina Adriana Amaral Graftech Phisical