Publicado em: qua, 25 - jul - 2018

Dívida Pública Federal sobe 1% e chega a R$ 3,75 trilhões em junho

Coordenadora de Operações da Dívida Pública, Márcia Tapajós, diz que o Tesouro e o Banco Central permanecem atentos às condições do mercado (Arquivo/Agência Brasil)

Brasília – A coordenadora de Operações da Dívida Pública da Secretaria do Tesouro Nacional, Márcia Tapajós, comenta o Relatório Mensal da Dívida Pública referente ao mês de fevereiro (Antonio Cruz/Agência Brasil)

A Dívida Pública Federal (DPF) chegou a R$ 3,754 trilhões em junho, com aumento de 1,01% na comparação com o mês anterior, de acordo com dados divulgados hoje (25) pelo Tesouro Nacional.

A Dívida Pública Mobiliária (em títulos) Interna (DPMFi), em circulação no mercado nacional, subiu 0,94%, alcançando R$ 3,607 trilhões. Um dos motivos para esse crescimento foi a apropriação de juros no valor de R$ 33,24 bilhões. A apropriação de juros representa o reconhecimento gradual das taxas que corrigem a dívida pública. As taxas são incorporadas mês a mês ao estoque da dívida, conforme o indexador de cada papel. Outro fator para a expansão da dívida interna em títulos foi a emissão líquida (mais emissões do que vencimentos de títulos) de R$ 580 milhões.

A Dívida Pública Externa subiu 2,67% em junho comparado a maio, chegando a R$ 146,79 bilhões (US$ 38,07 bilhões).

Apesar da alta em junho, a DPF continua abaixo das previsões do Tesouro. De acordo com o Plano Anual de Financiamento, divulgado no fim de janeiro, a tendência é que o estoque da DPF encerre o ano entre R$ 3,78 trilhões e R$ 3,98 trilhões.

Por meio da dívida pública, o governo pega recursos emprestado dos investidores para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

Leilões

Durante o período de volatilidade (fortes oscilações) no mercado financeiro, o Tesouro Nacional realizou leilões extraordinários de títulos públicos. De 28 de maio a 29 de junho, o Tesouro retirou do mercado R$ 19,108 bilhões (resgate líquido – mais resgates que emissões de títulos públicos). “O Tesouro Nacional entende que os leilões cumpriram com o objetivo de fornecer parâmetros de referência de preços e contribuíram para um melhor funcionamento do mercado financeiro”, diz o órgão, no relatório.

A coordenadora de Operações da Dívida Pública do Tesouro, Marcia Tapajós, disse que o órgão e o Banco Central (BC) permanecem atentos às condições do mercado e podem voltar a atuar conjuntamente, se houver necessidade.

“No final de maio, houve um repique muito grande na taxa de juros. O Tesouro, por ter um papel não só de fazer o financiamento, mas de ser diligente com as posições no mercado, começou a fazer recompras para ajudar o mercado a encontrar um novo equilíbrio de juros. O mercado estava sem referência de preços. No momento em que o mercado encontrou um novo equilíbrio de preços, o Tesouro já retomou as emissões, mas está retomando com cuidado. Não faz sentido retirar R$ 20 bilhões em um dia e no outro dia colocar R$ 20 bilhões, de novo”, explicou.

Segundo a coordenadora, as oscilações no mercado ocorrem por vários fatores como perspectiva de mais aumentos na taxa de juros americana, guerra comercial entre Estados Unidos e China, preço do petróleo e, no Brasil, incertezas com relação às eleições deste ano.

 

Fonte\Autor: Agência Brasil

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Comente no FaceBook

  Últimas Notícias

Fisk Expansao Sol e Piscina Adriana Amaral Graftech Phisical