Publicado em: ter, 13 - nov - 2018

Daniel Pereira aponta dívidas de Rondônia; Marcos Rocha diz que vai ‘cortar por dentro’ e resolver

Um dos principais problemas a serem enfrentados pelo governador eleito, Coronel Marcos Rocha (PSL), assim que assumir o estado em 1º de janeiro é a questão financeira. A declaração é do atual governador, Daniel Pereira, que foi feita durante entrevista no Palácio Rio Madeira nesta segunda-feira (12), em Porto Velho. O governador eleito afirmou que, para resolver o problema, irá “cortar por dentro”.

Na primeira aparição pública dos dois juntos para falar sobre a transição do governo, Daniel expôs não só os problemas financeiros, mas os políticos e sociais. “Eu não quero que o governador seja surpreendido a partir do momento que ele tomar posse”, destacou o atual governador.

Entre os maiores desafios assim que passar o bastão para Marcos, Daniel pontuou os investimentos mínimos e obrigatórios à educação e à saúde, bem como repasses para poderes e órgãos públicos.

“Quando se soma isso tudo, além das despesas fixas do executivo, principalmente com as despesas de pessoal, você já envolve aí 92% das nossas receitas. Isso é muito pouco. Esse será o grande desafio do novo governo”, ressaltou Daniel Pereira.

O atual governador falou ainda sobre a dívida do Iperon, do empréstimo feito junto ao BNDES e dos precatórios na ordem de mais de R$ 1,5 bilhão, que devem ser quitados até 2024.

Fez menção também à Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (Caerd), que tem 400 servidores com situação a serem definidas e falou sobre a Eletrobras Rondônia (extinta Ceron), que passa pelo processo de privatização.

Questionado sobre isso, Marcos Rocha garantiu que irá resolver.

“Se a gente tem dívidas, temos que cortar por dentro. Isso tudo nós vamos tratar, pois nós temos pessoas habilitadas para resolver e levantar soluções”, acentuou Marcos Rocha.

Sem secretariado?

Marcos Rocha não falou sobre possíveis secretários que devem ser nomeados por ainda não saber. Entretanto, declarou que vai “enxugar o estado”. “Isso é uma necessidade. Foi uma das primeiras coisas que conversamos com o atual governo nesse momento de transição”, disse o governador eleito.

Na última semana, 33 nomes foram anunciados para compor a nova equipe governamental. Desses, 13 são servidores públicos. Além disso, cinco deles terão acesso a informações sigilosas do estado. O processo também está sendo coordenado pelo atual governo, que indicou titulares de pastas específicas.

O governador eleito disse também que, durante a campanha eleitoral, não firmou compromisso com outros partidos e que, por isso, não sofrerá pressão política no que se refere a indicação de possíveis secretários, além da contratação de profissionais comissionados.

 

Fonte/Autor: G1

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Comente no FaceBook

  Últimas Notícias

Fisk Expansao Sol e Piscina Adriana Amaral Graftech Phisical